quarta-feira, fevereiro 17, 2010

Charles Fox Parham - Pai do Erro Pentecostal


O pentecostalismo surgiu com o norte-americano Charles Fox Parham. Foi ele quem, pela primeira vez, elaborou essa definição teológica para o movimento que sublinhava o vínculo entre o “falar em línguas” e o “batismo com o Espírito Santo”. Seus cultos eram marcados por grande êxtase, tais como, transes e o dom de evidências em novas línguas que ficou mundialmente conhecido como batismo com o Espírito Santo.
Parham, na cidade de Topenka, no Kansas, no ano de 1900, fundou Bethel Bible Collegeuma instituição que ficou conhecida pelo prática da cura divina, assistência material e espiritual a pessoas de origem humilde e que estavam dispostas a atuar como missionários.


Charles Parham acometido de depressão ausentou-se da liderança do movimento pentecostal por ele iniciado, período no qual fez viagens para tentar recuperar-se. Porém, regressando de sua viagem Parham se deparou com uma cisma dos estudantes e também de seus companheiros que disputavam a ocupação de seu lugar como diretor da Bethel Bible. Parham retoma a liderança e continua a estimular seus estudantes a alcançarem a terceira benção, foi quando em um movimeno de oração uma de suas alunas entrou em êxtase e manifestou em línguas estranhas, glossolália, nas semanas seguintes novas pessoas, inclusive Parham, alcançaram o mesmo feito.
Esse foi o estopim para o movimento da rua Azuza.
No ano de 1905 Charles Parham muda-se para Huston, no Texas, onde funda um nova escola biblíca, onde teve como um de seus alunos William Seymour, um negro filho de ex-escravos, era obrigado por Parham a assitir as aulas sentado numa cadeira no corredor.

A contribuição do pregador Seymour foi essencial, pois, se não fosse por ele, talvez o pentecostalismo de Parham não tivesse passado de boatos. Daí para frente, Seymour se tornou o grande anunciador do movimento pentecostal. Em 1906, seus ensinos sobre as práticas de falar palavras desconhecidas trouxe grande quantidade de adeptos ao pentecostalismo e, dois anos mais tarde, sua igreja já mandava missionários para 25 países.
Parham durante 5 anos atuou como pastor de uma igreja metodista, sua decisão em abandonar esta igreja estava na crença pessoal na cura divina. Parham é um dos fundadores da Assembléia de Deus nos Estados Unidos, a maior denominação pentecostal do Brasil e também do mundo.
Parham se envolveu em escandalos de sodomia e afastou-se da liderança do grupo religioso por ele fundado, coube a Willian Seymour assumir a liderança dos membros da igreja de Parham. Charles Fox Parham também é bastante criticado por suas ligações com a maçonaria, a Ku Klux Klan e também pela seu racismo não disfarçado.
O advento da rua Azuza, de fato, estava exercendo profunda força, tanto centrípeta como centrífuga, no mundo protestante. Funcionava como um potente imã, atraindo líderes de diversos segmentos do protestantismo que desejavam conhecer o que estava ocorrendo ali. E também como centro irradiador da mensagem pentecostal, enviando grupos para diversas localidades do país e do mundo.
O pentecostalismo chegou ao Brasil trazido por operários imigrantes. Primeiro em 1910, pelo italiano Louis Francescon, fundador da Congregação Cristã no Brasil, e, Logo em seguida, em 1911, pelos suecos Gunnar Vingren e Daniel Berg, fundadores da Igreja Evangélica Assembléia de Deus. Foi expressiva também a contribuição da missionária Aimee Semple McPherson, fundadora da Igreja do Evangelho Quadrangular, iniciada no Brasil em 1951 pelo pastor Harold Edwin Willians. Todos eles, sem distinção, foram influenciados pelo avivamento da rua Azuza.
Enquanto isso, Seymour Continuou seu pastorado na rua Azuza até sua morte, em 28 de setembro de 1922. O edifício da igreja onde tudo começou foi destruído poucos anos mais tarde.Todavia, quando isso ocorreu, a chama pentecostal já havia atravessado fronteiras. Fonte: Wikipédia

14 comentários:

Francisco Sulo disse...

E por que "erro"?

marluio_martins disse...

Por que em sua visão o pentecostalismo seria um erro?

Poderias publicar um artigo em que este erro fosse teologicamente demonstrado?

Jacymara Ferreyra disse...

Olá! A paz do Senhor amigos.
Já fui pentecostal e hoje entendo porque o pentecostalismo é um erro.
Leiam todas as postagens sobre o DOM DE LÍNGUAS em meu blog que vocês verão a luz da Palavra de Deus que o pentecostalismo sempre será um erro. Acho que já é suficiente.
Obs. Coloquem Dom de linguas em pesquisar no meu blog.
Um abraço!

Anônimo disse...

Ola! Tenho feito algumas pesquisas, e não consigo encontrar o nome dos pais de Charles Parham Fox, você teria alguma fonte ?

Helliton Soares Mesquita disse...

é difícil comprovar a relação direta do batismo com o Espirito e falar em línguas estranhas, porem na bíblia encontramos vários momentos aonde as pessoas que foram cheias do Espirito Santos falarão novas línguas então existe uma relação mesmo que indireta, e ela é deveria e ser comum, quem critica isso é porque sabe que seus ministérios não tem e que por isso fogem da bíblia e tiram da igreja uma boa prática que é a oração em línguas.
pregação contra pratica de falar em línguas estranhas é distorção bíblica e não adianta citar Paulo, pois ele mesmo diz que falava em línguas mais do que a igreja de corintios.

Jacymara Gomes Ferreyra disse...

A paz do Senhor!
Cremos no dom de linguas e no batismo do Espirito Santo. Mas o dom de linguas nao e evidencia do batismo do Espirito Santo. Batismo do Espirito e uma coisa e dons sao outra. Por isso precisamos entender o que e cada um deles.
Gostaria que o irmao lesse e estudasse mais sobre estes temas no blog. Sao estudos bastante completos a luz da Palavra de Deus.
Obrigada! Abracos

http://jacymaraferreyra.blogspot.com.ar/search/label/Esp%C3%ADrito%20Santo

Obs. Desculpe a escrita, estou fora do pais, o teclado e diferente.

Cântico Novo disse...

É bem nítido nas Escrituras que naquele dia de pentecostes, após a ascenção de Cristo, judeus estrangeiros de 16 nações listadas, ouviram as maravilhas de Deus em sua própria língua e entenderam(Atos 2).Hoje em dia se reúne um monte de gente que fala a mesma língua, e ninguém entende nada! Isso é o contrário do que aconteceu em Atos.

Cântico Novo disse...

É bem nítido nas Escrituras que naquele dia de pentecostes, após a ascenção de Cristo, judeus estrangeiros de 16 nações listadas, ouviram as maravilhas de Deus em sua própria língua e entenderam(Atos 2).Hoje em dia se reúne um monte de gente que fala a mesma língua, e ninguém entende nada! Isso é o contrário do que aconteceu em Atos.

Anônimo disse...

Em Atos 2...Na vinda do Espirito Santo, tamanha era a Glória de Deus, que as pessoas pensavam que quem estava no cenáculo estava embriagado... Paulo na sua 1ª carta aos Coríntios deixa claro que Línguas é um dom...
e que é mais válido o dom de profecia para falar à igreja e edificar à Igreja...PORÉM também deixa BEM CLARO que o falar em línguas edifica a nós mesmos, por que falamos em Mistérios COM DEUS...
"Porque o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios.
Mas o que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação.
O que fala em língua desconhecida edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja.
E eu quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis; porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação.
E agora, irmãos, se eu for ter convosco falando em línguas, que vos aproveitaria, se não vos falasse ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina?

1 Coríntios 14:2-6"

...Mas cá pra nós...Quem não acredita no batismo com o Espirito, jamais o experimentou...e digo mais: vai viver frio...Ser batizado no Espirito...É um lance que é preciso crer pra sentir...e quando se sente..jamais se deixa de crer...

Anônimo disse...

Eu acredito que a lingua estranha é um dom visível do batismo!

Unknown disse...

Prezada irmã, percebi que você se baseia basicamente no que o Pastor diz, porém eu gosto de conferir e analisar as sagradas escrituras.
Primeiro ponto. O texto abordado em Coríntios, você diz que: “Coríntios 12:7. Concluímos, obviamente, que o falar em língua deve ter uma utilidade; deve ser, ao menos, inteligível. Lembrando: que tenha um propósito evangelístico.” Primeiro o texto não fala isso. O texto fala que a manifestação do Espirito, e não o falar em línguas (como você diz) é dada para cada um para o que lhe for útil (para cada um significa para si mesmo) e não para os outros), podemos até embasar essa argumentação com outro texto que diz que “aquele que fala em línguas edifica a si mesmo, a não ser que haja quem interprete.”, ou seja, é pra utilidade do próprio que fala. E por falar em interpretação, se o dom de línguas, ou glossolalia, e o falar de línguas de outras nações, e com o propósito evangelístico (ou seja, evangelizar outras nações com a pregação da palavra em sua língua), porque haveria de ter o dom de interpretação de línguas, descrito em 1Corintios 12:10, ou porque, o apóstolo Paulo enfatiza que este dom é pra edificação própria a não ser que haja, quem interprete. Se é evangelístico, se o propósito é pregar a outras nações em suas línguas, não haveria necessidade de alguém para interpretar.
Segundo ponto. No livro de atos dos apóstolos, capítulo 2, versículo 6 e 8, diz: E como os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? (retirado do seu próprio blog). Ao pé da letra. Se os discípulos receberam o dom de falar as línguas das nações, eu acho isso, esplendido. Mas como poderia, cada um, os ouvir, em sua própria língua. Deixa eu melhorar um pouco essa frase. CADA UM, OUVIA ELES NA SUA P’ROPRIA LÍNGUA (substituí o pronome por eles). O texto diz que cada homem de terra e língua diferente ouvia a eles em sua própria língua. O texto não diz que cada um falava a língua de um país. E mesmo que seja interpretado assim, no momento da pregação, apenas Pedro pregava. Logo, como cada um, o ouviu em sua própria língua. Tem alguma coisa errada nessa interpretação. Não pode ser línguas de outras nações.

Jacymara Gomes Ferreyra disse...

A Paz de Cristo!
Irmão, como o senhor pode dizer que me baseio somente no que diz o pastor? Vc não conhece minha vida, não conhece minha história.

O senhor fez uma confusão, uma salada de frutas sem tamanho. Mas creio que entendi o que quis dizer. Vamos lá.

Em primeiro lugar para entendermos sobre um determinado assunto na bíblia é necessário analisar o contexto da época e trazê-lo para os nossos dias, e fazer a interpretação correta dos textos.

Em Corinto ficava um dos mais importantes portos da época, era uma cidade muito comercial e cultural, portanto falava -se uma grande diversidade de idiomas, e não era diferente na Igreja de Cristo. Portanto o dom de línguas era muito usado na pregação do evangelho. Por isso Paulo viu a necessidade de exortar os cristãos sobre o uso dos dons espirituais, incluindo também o dom de línguas.

O dom de interpretação de línguas era muito necessário sim, imagine numa igreja que se fale vários idiomas. Se alguém faz uma oração ou canta um hino... Paulo diz se não há um intérprete é melhor que fique calado porque ninguém vai entender nada. I Coríntios 14:27-28

Lá em I Coríntios 14:4 o senhor cometeu um erro gravíssimo de interpretação de texto. Paulo não está enfatizando que quem fala em línguas edifica-se a si mesmo, muito pelo contrário, ele está exortando. Ele está explicando que o dom de línguas é inferior ao dom de profecias.

Para entender é necessário ler até o versículo 19. Vou citar alguns para não ficar extenso demais, mas por favor leia tudo com calma mais uma vez.

Vejamos:
Começamos pelo Título do texto:

O DOM DE PROFECIA É SUPERIOR AO DE LÍNGUAS

1 Segui o amor e procurai, com zelo, os dons espirituais, mas principalmente que profetizeis.

No verso 2 diz até se eu ficar ali quietinho falando em línguas com Deus, vai ser mistério, pois quem me ouvir não vai entender o que estarei falando.

2 Pois quem fala em outra LÍNGUA NÃO FALA A HOMENS, senão a Deus, visto que ninguém o entende, e em espírito fala mistérios.

3 Mas o que PROFETIZA FALA A HOMENS, edificando, exortando e consolando.

4 O que fala em outra língua a si mesmo se edifica, MAS o que profetiza edifica a igreja.

5 Eu quisera que vós todos falásseis em outras línguas; MUITO MAIS, porém, que PROFETIZÁSSEIS; pois quem profetiza é SUPERIOR ao que fala em outras línguas, salvo se as interpretar, para que a IGREJA receba EDIFICAÇÃO.

16 E, se tu bendisseres apenas em espírito, como dirá o indouto o amém depois da tua ação de graças? Visto que não entende o que dizes;

17 porque tu, de fato, dás bem as graças, mas o outro não é edificado.

CONCLUSÃO: O mais importante é falar a homens, é profetizar, é edificar o outro, a igreja e não a si mesmo.

9 Assim, vós, se, com a língua, não disserdes palavra compreensível, como se entenderá o que dizeis? Porque estareis como se falásseis ao ar.

10 Há, sem dúvida, muitos tipos de vozes no mundo; nenhum deles, contudo, sem sentido.

Só nestes dois últimos versículos que citei (sem contar outros na Bíblia) fica bem claro que o dom de línguas são idiomas, porque tem um significado, porque são palavras compreensíveis, tem sentido, bem diferente do dom de línguas falado nas igrejas pentecostais hoje em dia, pois as pessoas falam e ninguém entende, são palavras ou sons repetitivos, e muitas se jogam pela chão e gritam, rodopiam, etc. E há uma confusão enorme entre dom de profecia com dom de línguas. Misturam tudo. Fazem revelação virar dom de profecia.

Continua...

Em breve falarei do dom de línguas usado no discurso de Pedro.


rafael felipe disse...

E ceguinho qual o beneficio de falar linguas? E paulo falava cinco indiomas por isso ele relata falar linguas estranhas

CLAUDIO ARAUJO disse...

Gostei muito do artigo.